segunda-feira, março 27, 2006

1- CAFÉ DA MANHÃ ?

Meu primo e eu, adolescentes, nos divertíamos à beça (gíria antiga) na casa de praia de uma tia, lá no maravilhoso nordeste brasileiro. Após o jantar, servido por volta das 18h, meu primo esticou-se na cama cansado e caiu no sono. Noite quente, todos da casa se reuniram na sala-de-estar para um dedo de prosa. A empregada aproveitava para deixar preparada a mesa do café da manhã. Próximo das nove da noite, meu primo aparece, grogue de sono. Olha para a mesa posta para o café da manhã, olha para nós, sentados nos sofás, dirige-se para a mesa e senta-se. Ao perceber que a conversa parara e que todos o olhavam intrigados, retrucou: “O que foi, não posso tomar meu café, não?” Risos gerais, ele pensava que já fosse manhã do dia seguinte...

Um comentário:

Paulo Brabo disse...

Arquetípico de tão excelente: me fez rir em voz alta. Família é mesmo uma idéia extravagante e improbabilíssima. Suas histórias me trouxeram à memória uma dezena de histórias da minha. Tenho uns quinze tios e um número obsceno de primos - saudade dos tempos em que as famílias eram grandes...