segunda-feira, abril 17, 2006

13- SEXTO SENTIDO ?

Um dos meus cinco primos estava muito doente. Nós nos dávamos super bem, afinal a distância entre o mais novo e o mais velho era de apenas 6 anos. Assim, crianças e adolescentes, fomos todos ao mesmo tempo, curtindo e passando pelas mesmas fases. Eram tardes e mais tardes de domingo, ou em dias de férias, brincando das mais variadas formas, e, algumas vezes, brigando também.
Este era um ano mais velho que eu. Aos quarenta e poucos anos, tinha câncer. Apesar de não ter uma ligação maior com ele do que com os outros, nossa convivência era mais fácil, alegre; e nosso relacionamento, mais leve e profundo.
Apesar de toda a luta (e como lutava pela vida!), a doença o venceu. Hospitalizado, morreu durante noite. Eu dormia em casa, a 100 km de distância do hospital. Acordei no meio da noite, absolutamente sem razão aparente; totalmente desperto, sentado na cama, olhei o relógio – madrugada - pensei no meu primo e deitei-me novamente. Bem cedo, meu tio me liga para avisar da sua morte durante a madrugada. Só consegui murmurar: “Eu sabia...”

4 comentários:

Lou disse...

Cuidado! Esse negócio está meio gnóstico. Provavelmente, um anjo da família dos querubins te visitou. Você não viu porque o quarto estava escuro, mas garanto, ele estava lá.

Paulo Brabo disse...

A verdade está lá fora.

Rubinho Osório disse...

Na verdade, sem tirar o anjo da jogada, "há mais mistérios..." e eu prefiro que fique assim, simplesmente como mistério. Quem sabe, um dia...

Hernan disse...

Você disse tudo: mistério!
Pobres somos nós que arrogamos às vezes querer entender "racionalmente" essas coisas.