quarta-feira, janeiro 31, 2007

61- SALVA VIDAS SEM QUERER

Uma das melhores coisas do acampamento da PV (Palavra da Vida) no verão era poder nadar na “semi” piscina: parte do lago havia sido preparado como uma piscina, com trampolim, borda de um lado e um acesso em rampa com areia de outro (a “prainha”). Mas a água continuava a ser a do lago: limpa, porém amarelada de argila, não dando muita visibilidade debaixo d’água.

Adorava o trampolim. Minha diversão favorita na piscina: pular do trampolim, nadar até a borda, subir para o trampolim e mergulhar novamente.

Uma tarde, quando me preparava pra mergulhar, dando saltos sobre o trampolim para pegar mais altura, ouvi uma voz meio nervosa gritando o meu nome. Saltei, tentando identificar quem me chamava e vi que a pessoa, à beira da piscina, apontava pro meio dela. Afundei na água e ao voltar a tona, olhei para onde ela apontava... e não vi nada. De repente, surgiu a cabeça de um moleque da minha idade, debatendo-se lentamente. Nadei com cautela até ele, temendo que fosse alguma “aprontação” pra cima de mim. E o garoto continuava a subir e descer lentamente. Só quando cheguei bem perto, percebi que realmente precisava de ajuda. Afundei, dando a volta nele, subi por trás, agarrando firmemente o seu tórax com as duas mãos, e nadei com as pernas em direção à “prainha”. O rapaz estava bem, não tinha bebido muita água e logo se recuperou. E eu virei “herói”, sem querer e meio a contragosto.

Um comentário:

Lou Mello disse...

Nunca se sabe quando seremos escalados para tirar o serviço de anjo. Imagino que seja uma espécie de preparação para outros tempos. Foi isso, um momento de anjo. Bem legal, por sinal.